Sign in / Join
Header Banner

Canta, Ricardo Vilas!

por Aquiles Rique Reis, vocalista do MPB4
Eu poderia começar este comentário dizendo que Ricardo Vilas foi um guerreiro na luta pela redemocratização do Brasil; poderia dizer que ele, como tantos, caiu nas mãos da repressão da ditadura militar; poderia, também, lembrar que ele foi preso e condenado por um tribunal militar por suas atividades políticas; ou, então, dizer que ele estava entre os quinze presos libertados graças ao sequestro do embaixador norte-americano Charles Elbrick em 1969.
Poderia dizer que Vilas viveu dez anos no exílio – inicialmente no México, depois na França, onde formou dupla com Teca Calazans, sua parceira de música e de vida; poderia também informar que “Teca
& Ricardo” fizeram sucesso
com discos e shows pela França e em outros países europeus até a volta ao Brasil, com a anistia, em 1979.
Poderia dizer isso e muito mais sobre Ricardo Vilas. Mas perdoem-me, pois não direi nem isso nem aquilo, direi apenas que ele é “de vocal”, um amante do cantar junto. E que integrou, junto com Zé Rodrix, Mauricio Maestro e David Tygel, o grupo vocal Momento Quatro, onde fazia a primeira voz, conjunto que estava ao lado de Edu Lobo e Marilia Medalha cantando “Ponteio” (Edu Lobo e Capinan), vencedora do 3º Festival de Música Popular Brasileira da TV Record em 1967.
E sigo abrindo o jogo: Ricardo Vilas acaba de lançar Canto de Liberdade (Conexão África Produções –www.conexaoafrica.com), seu 27º álbum.
Com arranjos impregnados de brasilidade, Vilas emociona cantando quatro composições só suas, cinco com parceiros e cinco clássicos superconhecidos da MPB. 
“Apesar de Você” (Chico Buarque) inicia com uma levada maneira, que logo se achega ao samba. Mais para o final, o arranjo traz de volta a pulsação inicial, para só então finalizar com um breve cânone. Bonita abertura!
“Ponteio” não podia faltar. Uma violada vale como intro. Essa música é outra que atrai recordações de um tempo em que, apesar de tudo, e até por isso, Vila era jovem e politizado.
“Canto de Liberdade” (RV e Marquinhos de Oswaldo Cruz) tem os autores vibrando no bom samba. A carioquice do samba de Vilas se mostra por inteiro.
“Marcha da Quarta-Feira de Cinzas” (Carlos Lyra e Vinícius de Moraes) tem a participação de Nilze Carvalho. A marcha-rancho exala força, trazendo boas e más lembranças. Mas tudo fica ainda mais belo quando Ricardo e Nilze cantam juntos.
A composição própria “Anjos (Para Sonia e Stuart)” é emocionante. Seus versos poéticos relembram o assassinato dos dois jovens militantes na luta armada: “(…) Sonia amava Stuart/ Stuart amava Sonia/ Aquela noite de amor foi a última/ A única noite de adeus (…)”. Vilas canta como se da garganta brotassem lágrimas. Sobre acordes vocalizados, com arranjo de Mauricio Maestro, Vilas recita, repetidamente, “Anjos/ Anjos…”. Comovente!
“Aquele Abraço” (Gilberto Gil) fecha a festa. Nela, Ricardo Vilas reviu seus 50 anos de música num CD admirável, no qual persevera cantando a esperança de um Brasil mais justo e democrático.
 

 

Rodolfo Lucena

Leave a reply